domingo, 5 de junho de 2011

Homem simples, simples homem

Eu não queria

Nem quero da vida,

Riquezas poder e sombra,

Não quero a paz dos áureos,

Nem mesmo a dor do medíocre.

Não quero a tristeza do ímpio,

Nem o descanso do justo,



Quero arroz e feijão na mesa,

A alegria infante que me foi roubada,

Os olhos que me foram tampados,

Acrescidos da perfeita visão,

Quero a simplicidade do pardal,

Da pomba eu quero distância,



Eu aprendi a viver na guerra,

Hoje não sei conviver com a paz,

Não quero muito da vida,

Nem mesmo ser um homem simples,

Só um simples homem,

Sem as armas da guerra,

Sem a falsa paz.



Quem não queria ser,

Quem não queria viver,

Como um homem simples,

Como um simples homem.